"Não se pode maternar sem sustentação. Não se pode maternar sem fusão emocional. Não se pode maternar sem buscar o próprio destino."
Laura Gutman, terapeuta argentina

terça-feira, 26 de junho de 2012

Rituais pós-parto – O retorno à Tenda Vermelha

Tetas
Lágrimas
Confissões em voz baixa
Cheiro de mulher e de ervas de cura
Choro de bebê novo, inconstante e estridente
Sono e suor
Canções de lua, de terras prometidas, de anjos....
Sabedoria antiga
Olhos de anciã
Olhos de donzela
Olhos de mãe
Tetas

Lágrimas
Leite
Serviço
Gratidão
Útero fechado, campo fechando
Espaço
Espaço sagrado de mulheres
Jutas em seus rios de celebrar a vida e a transformação
Para que a vida siga....


Tenho oferecido a mulheres puérperas em seus primeiros 40 dias, este belo rtual dd fechamento e renovação, oriundo da tradição mexicana.

Neste trabalho já testemunhei algumas libertações e muito encorajamento. Percebi pulsante a energia  terra-água no corpo-mente-espírito da mãe recém-nascida. Uma luz e ar freco no umbral de d=fusão emocional. A alegria de receber (de quem está só doando alimento e prana note e dia) e celebrar o que passou e não volta e a nova vida tão desafiante quanto fascinante que começou.

Recomendo a ritualística para a mulher, feita por mulheres.  Não precisa ser esta, que aprendi com a parteira Naoli Vinaver e faço á maneira de cada mulher. Pode-se criar um ritual, com respeito por este momento, práticas para saúde pós-parto, carinho e elementos de renovação. Citando as palavras de Camila (a doce e poderosa mãe de Zion, que tive o prazer de acompanhar desde a gravidez e no trabalho de parto): “Este trabalho (o ritual) me deu eixo, deveria  ser oferecido pelo SUS!”

Ritual pós –parto (banho de ervas e suor) – a ser realizado 3 vezes nos primeiros 40 dias (qualquer coisa é melhor que nada, caso não se consiga o ideal). Eu gosto de fazer a primeira vez aos 13 dias.

Você vai precisar:

2 ou 3 mulheres (além do pai do bebê que fica por perto com ele. Geralmente dormem). Pode ser a parteira, doula, amiga...               que já saibam o que precisam fazer.

Uma bacia ou balde grande (a mulher puérpera deve entrar dentro dele para o banho de chá)

O chá (receita abaixo), fervido por 30 min na noite anterior e aquecido na hora (o mais quente que for confortável para mulher.

Um “tenda” feita com cobertores em um ambiente aquecido (uma barraca iglu na sala de casa com cobertores por cima funciona bem, mas é preciso amarrá-la pra não perder a forma)

Óleos de massagem (com aroma e sem para os seios)

Toalhas, lençóis e cobertores

Música ambiente calma e relaxante

 Térmica com outro chá (receita abaixo, para ser tomado durante a prática pela mulher, prevenindo dores de cabeça); Copo com canudo.

Parte I – Massagem

No chão com isolamento, massagem intuitiva completa na mulher. Começa de barriga pra baixo, atenção nos pés mãos, costas (lombar) e pescoço. Gosto de usar Lavanda ou Anis estrelado. Na frente atenção ao útero -sempre massagear de baixo pra cima – e órgãos nteros no abdome (gosto de usar o Ylang-ylang neste momento). Pode-se dizer algumas palavras durante toda massagem com por exemplo: “Honro este útero corajoso que trouxe seu filho a vida! Agora é o momento de retornar”, etc. Nos seios, use vegetal puro, pois o bebê pode querer mamar. Se sair leite, misture-o no óleo e siga massageando vigorosamente. Ps. Este ritual costuma estimular bastante a produção de leite

Parte II – Banho de ervas

A mulher e mais 2 ou 3 acompanhantes entram na tenda. Ela vai para bacia, ou balde as outras derrubam o chá sobre ela, com as ervas e tudo, inclusive nos cabelos, rosto, costas, seios (é bom até abrir um pouco a vagina pro chá penetrar e limpar!). Nesta hora, é lindo cantar, ficar em silêncio, abrir espaço pro choro, riso, sussuros.... Depois bate-se na pele da mulher com os talos de ervas, pra ativar a circulação. Durante o banho, a mulher segue tomando o outro chá, quentinho.

Chá do banho ‘abrasileirado’ (ferver 30 min uma panela grandona)

1 casca de canela

4 ramos de alecrim

2 punhados de camomila

1 punhado de arnica

3 ramos de manjericão

1 raminho de arruda

3 cascas de barbatimão (ou um punhado seco)

Chá pra tomar

Canela, alecrim e camomila com mel na xícara



Parte III – Suor

Depois do banho a mulher sai da tenda envolta em toalhas, lençóis e cobertores. Tapada até a cabeça (inclusive os olhos), deixando só a boca e o nariz pra fora. Ela deita na cama e sua (bebendo o chá no cadinho) por uma meia hora. Pode dormir também. Neste tempo se der pro bebê agüentar sem mamar é bom não interromper. Quando a mulher sai desta etapa é como renascer ou re-parir.Lindo demais!

Parte IV -  Fechamento

Em duas pessoas, usando o rebozo, apertam-se os pontos energéticos da mulher: cabeça, ombros, costelas, quadril, coxas, batata da perna, pés. Interessante fazer quando você á experimentou. Uma variação é enrolar a mulher com vários panos no chão, bem apertadinha por uns minutos.


2 comentários: